2013

Aprendemos que, por pior que seja um problema ou situação, sempre existe uma saída. E que é bobagem fugir das dificuldades. Mais cedo ou mais tarde, será preciso tirar as pedras do caminho para conseguir avançar.

Aprendemos que, heróis não são aqueles que realizam obras notáveis. Mas os que fizeram o que foi necessário para essa realização.

Aprendemos que, ao invés de ficar esperando alguém nos trazer flores, é melhor plantar um jardim.

Aprendemos que cabe a nós a tarefa de apostar nos nossos talentos e realizar os nossos sonhos.

Aprendemos que, o que faz diferença não é o que temos na vida, mas QUEM... nós temos.

Aprendemos que o tempo é precioso e não volta atrás. Mas mesmo assim, vale a pena resgatar o passado e viver as emoções do presente.


O nosso futuro ainda está por vir. Então devemos descruzar os braços e vencer o medo de partir em busca dos nossos sonhos


“Confie em você e no seu potencial, tire as suas idéias da gaveta e coloque-as em pratica!”


PROFª ROGÉRIA TELES


terça-feira, 1 de março de 2011

JARDIM DE FICUS





Quem não se lembra do lacerdinha, inseto que assolou as árvores fícus que formavam o nosso "Jardim" ?

Ninguém conseguia passar por perto de uma árvore infectada e, então, se estivesse com roupa de cor clara era um horror, amarelo era a cor mais chamativa para essa praga.

Quando um deles caía no olho era terrível.

Presentes nos anos 60, voavam sobre o desavisado passante e quando atingiam os olhos, a vítima sentia queimar mesmo.

Como os estudantes, quando ao passear, ir ou vir do Instituto e atravessar o jardim, sofriam com esses insetos !

Presentes nos anos 60, voavam sobre o desavisado passante e quando atingiam os olhos, que ardiam e queimavam mesmo. E quando eram ambos os olhos!

O Lacerdinha leva esse curioso nome popular porque, além de ser extremamente irritante e dar a impressão de estar em todo lado como o exuberante tribuno carioca Carlos Lacerda, quer dizer, pelo respirar, pelas palavras e pelos discursos do jornalista que aguerridamente combatia o Presidente Getúlio Vargas. Com o falecimento do Lacerda, eles desapareceram do Brasil.

                                                                                                  Pela ex- aluna Suzana B.de Miranda














3 comentários:

Professor Italo-SENAI disse...

Minha cara Suzana, além do que foi, por você, postado com muita felicidade esses ficus eram nossos cúmplices em nossas muitas confidências, sem nunca nos trair e contar para outros nossos segredos infanto juvenis.

Suzana disse...

É verdade, Cassoli. Se aqueles bancos à sobra dos ficus, falassem ... Tempo bom, não?

Dedé disse...

Era exatamente ali que a turma se reunia e, além dos lacerdinhas havia também aquelas lagartas enormes e gordas que se arrastavam vagarosamente e espantava a moçada. Quem se lembra dessas lagartonas listradas que pareciam saídas das ilustrações de "Alice no país das maravilhas".